Vacina de Oxford eficaz contra a nova variante do Reino Unido

A vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, obteve resposta positiva quanto a sua eficácia para combater a variante do vírus primeiramente identificado no Reino Unido (B.1.1.7), informou a instituição em um comunicado nesta sexta-feira (5).

O estudo realizado com os dados preliminares foi publicado no formato pré-print, isto é, um artigo ainda não revisado por outros cientistas da área. Segundo os resultados, a eficácia do imunizante contra a variante dentro do estudo conduzido com voluntários britânicos foi de 74,6%, um pouco abaixo da proteção concedida pela vacina contra linhagens mais antigas do vírus (84%).

A eficácia dos resultados foram obtidos na pesquisa clínica de fase 3 em andamento com a vacina no Reino Unido. Os cientistas sequenciaram o genoma do vírus presente nas amostras de secreção do nariz e da garganta de 256 voluntários infectados pelos coronavírus para verificar qual linhagem havia causado a infecção.

“Dados de nossos testes com a vacina no Reino Unido indicam que ela não apenas protege contra o vírus original causador da pandemia, mas também protege contra essa nova variante, que levou a um surto da doença no Reino Unido no fim de 2020”, afirmou Andrew Pollard, professor de infecção e imunidade pediátrica da Universidade de Oxford e um dos chefes da pesquisa com o imunizante.

Para Sarah Gilbert, professora de vacinologia da instituição e também uma das cientistas-chefe no estudo, os pesquisadores já esperavam as mutações do novo coronavírus e trabalhavam com a possibilidade de desenvolver uma nova versão da vacina para atender às possíveis variantes.

“Estamos trabalhando com a AstraZeneca para otimizar o processo necessário caso mudanças sejam necessárias. É o desafio enfrentado por todos os desenvolvedores de vacinas, e vamos continuar o monitoramento do surgimento de novas variantes com prontidão para futuras mudanças”, disse a cientista.

Conforme artigo publicado no formato de pré-print, a Covishield reduziu a transmissão do vírus em 67% após a primeira dose da vacina. O trabalho é atualmente revisado para ser publicado na revista científica The Lancet.

No mesmo artigo, os pesquisadores mostraram que o intervalo entre as duas doses da vacina podem ser ampliado até 12 semanas sem prejuízo na eficácia contra a Covid-19.

Fonte: rpr/lf (AP, AFP, Reuters)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s