Cuba começa a desenvolver quinta vacina contra a covid-19

Cuba anunciou, nesta quarta -feira (3), o início do desenvolvimento da quinta vacina contra a covid-19, a Soberana 01A. A nova fórmula busca diminuir os riscos de novo contágio em pacientes que já foram infectados com a doença.

O país também possui outros quatro imunizantes em distintas fases: a Soberana 01, já na etapa II de teses; a Soberana 02, a candidata vacinal mais avançada, com 150 mil doses produzidas; a Abdala, que iniciará a fase III de provas, na capital Havana e em Santiago, com aplicação em 42 mil voluntários, a partir da próxima semana; e a Mambisa, ainda na primeira fase de testes clínicos, que seria o primeiro medicamento contra a covid-19 com aplicação nasal.

Leia aqui: Cuba inicia nova fase de testes de segunda vacina contra covid-19

A Soberana 02 tem duas combinações distintas que estão sendo testadas, ambas baseadas na proteína RBD (receptor-binding domain, da tradução em português domínio de união ao receptor), aliada a um toxoide tetânico. Os cientistas cubanos usaram uma vacina desenvolvida em 2004 contra o vírus Influenza como base para criar o novo fármaco.

“Em cada um dos passos estamos cumprindo com todas a regulamentação nacional e internacional, com o rigor científico necessário”, afirmou a diretora do Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (Cecmed), Olga Lidia Jacobo.

O governo cubano promete produzir 100 milhões de doses até o final do ano para imunizar toda a população local e os turistas que visitem a ilha. Cuba também anunciou a criação de um banco de vacinas, junto à Venezuela, para os países da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba-TCP).

Saiba mais: Cuba e Venezuela anunciam criação de banco de vacinas contra a covid-19

Apesar do bloqueio econômico, imposto pelos Estados Unidos, que gerou um prejuízo estimado em US$ 114,4 bilhões em quase seis décadas, a biomedicina cubana foi capaz de desenvolver cinco candidatos de imunizantes, tornando-se o primeiro país da América Latina em ter uma vacina própria contra o novo coronavírus.

Além dos imunizantes, Cuba também desenvolveu o Interferon Alfa 2B, remédio com eficácia de até 80% no tratamento de pacientes em estado moderado da doença e agora lança seus respiradores próprios para atender casos graves.

Leia também: Conselho Político da Alba-TCP exige o fim das sanções impostas pelos Estados Unidos

São cinco modelos de respiradores, criados com impressoras 3D, pela equipe do Grupo de Indústria, Eletrônica, Informática, Automatização e Comunicações de Cuba (Gelect).

Os protótipos começaram a ser produzidos em maio do ano passado e agora estão prontos para ser analisados pelo Centro de Controle (Cecmed), que deve dar o aval para o uso em pacientes em estado avançado da infecção causada pelo vírus sars-cov2.

Segundo a equipe, somente os sensores e o motor dos respiradores são importados, o restante foi fabricado por profissionais cubanos.

Michele de Mello

Brasil de Fato 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s