Bolsonaro comunista? Na Rússia, presidente é obrigado a levar flores a soldados soviéticos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou, na manhã desta quarta-feira (16), de uma cerimônia em que colocou flores no Túmulo do Soldado Desconhecido, monumento que homenageia soldados comunistas mortos na 2ª Guerra Mundial.

No evento, que é protocolo diplomático para chefes de Estado que visitam a Rússia, Bolsonaro acompanhou militares russos, que carregavam uma coroa de flores com o desenho da bandeira do Brasil. O fato é irônico, já que, no Brasil, o presidente diz que atua para “combater o comunismo”.

:: Bolsonaro na Rússia é tentativa tardia de recuperar diplomacia brasileira, dizem pesquisadores ::

O Túmulo do Soldado Desconhecido é uma homenagem a soldados e combatentes que prestaram serviços fora de sua terra natal. A solenidade teve com uma marcha da Guarda de Honra russa e um minuto de silêncio em homenagens aos soldados mortos em operações militares.

Depois da entrega da coroa de flores em uma espécie de pedestal, o Hino Nacional brasileiro foi executado, na presença de Bolsonaro. No final do evento, todas as autoridades presentes se posicionaram para uma foto.

:: Janela para o Oriente: Rússia estreita laços com China e busca minar hegemonia dos EUA  ::

Os ministros Carlos Alberto França (Relações Exteriores), general Walter Braga Netto (Defesa), general Luiz Eduardo Ramos (Secretária-Geral da Presidência da República) e general Augusto Heleno (Ministro do Gabinete de Segurança Institucional), acompanharam o presidente.

Confusão ideológica

O ex-ministro das Relações Exteriores de Bolsonaro, Ernesto Araújo, criticou a viagem do presidente à Rússia. Segundo ele, “o Brasil está mostrando uma preferência pela Rússia. Neutralidade é você visitar ou os dois que estão em conflito ou nenhum”

Por outro lado, o ex-chanceler petista Celso Amorim defendeu a viagem como uma mostra de independência perante os Estados Unidos. A visita de Bolsonaro já estava agendada desde 2021, e, para o ex-ministro, recuar do encontro seria “sinal de submissão” aos interesses estadunidenses.

Pesquisadores ouvidos pelo Brasil de Fato afirmam que, ao contrariar os Estados Unidos e manter viagem oficial à Rússia durante a maior crise de segurança na Europa nas últimas décadas, Bolsonaro tenta mudar sua política externa. O plano, todavia, chega tarde e não é suficiente para reverter o desgaste criado ao longo de seu governo. 

A viagem ganhou novos contornos com a escalada da tensão entre Ucrânia e Rússia. A Casa Branca argumenta, sem trazer evidências ,que os militares russos podem atacar a qualquer momento e, junto com Japão, Holanda e Coreia do Sul, pediram que seus cidadãos abandonem a Ucrânia. 

O Kremlin nega qualquer intenção bélica na disputa que também envolve os limites da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a venda de gás russo para a Europa e a situação de áreas rebeldes pró-Rússia que estão em guerra civil na Ucrânia.

Foto: Bolsonaro durante homenagem no monumento “Túmulo do Soldado Desconhecido”, que lembra de soldados comunistas mortos na 2ª Guerra Mundial – Alan Santos/PR

Fonte: Brasil de Fato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s